Os Três pilares do processo criativo. Não é Texto de Coaching!

O titulo do texto parece aquelas headlines de Coach, onde o cara promete mundos e fundos em pouco tempo e sem nenhum esforço.

Eu acho meio mazela esse tipo de coisa, então não é sobre isso o que vou falar a seguir.

Acho que é algo mais palpavél.

Desde que iniciei minha jornada de freelancer ( saiba mais aqui ) eu comecei a focar nos principios, por pura necessidade diga-se de passagem, e meu problema sempre foi como conceituar uma ideia ao ponto de conseguir vender ela. Eu como muita gente sempre achei que a ideia era fruto de uma epifania e que a criatividade era coisa de gente sobre humana. Confesso que continuo achando algumas pessoas sobre humanas, mas acho que a ideia concluida em formato de uma peça final, seja ela video ou still é fruto de muito hard work.

Durante esses meses que estudei me deparei com varias tecnicas e "receitas" de como conseguir chegar a uma ideia. E em uma dessas formas me deparei com o artista chamado Jama Jurabaev, achei sensacional como ele descreveu 3 passos para para você conseguir elevar sua "arte", eu sei, eu sei, parece frase de curso inovador vendido via Youtube hehehe.

 

Os 3 Passos são:

Principios

Ferramentas

Prática

Achei muito inteligente a forma como ele descreveu de como voce pode ir do Ponto A para Ponto B como artista. E quero compartilhar um pouco do que entendi aqui.

 

Os Principios

 

Entender como os principios funcionam não exige nenhuma graduação ou nerdisse, mas o segredo está em como você vai usa-los. E porque não, ignora-los. Os Princípios são:

Shape = Silhueta ( acho que essa deva ser a melhor tradução para isso )

Form = Forma

Texture = Textura

Space = Espaçamento

Color = Cor

Em alguns livros e sites existem alguns desdobramentos dos principios acima, bem como a mudança de nomeclatura. Mas vou me ater a esses pra ser mais objetivo

Então em miúdos é o seguinte, fazer arte é antes de tudo entender esse conjunto de regras, que não são aleatórias nem nada, são fruto de décadas de percepção e estudos. Vou fazer um comparativo pra você entender.

A escrita em si é um conjunto gráfico de regras que você precisa respeitar para que o próximo e você mesmo consiga interpreta-la correto? Você só está lendo esse texto porque eu estou obedecendo essa serie de regras para que você possa entender o que estou escrevendo. Então se eu não sigo esse conjunto de regras uahauohaiapahhuahsuqiiaooemaie, entendeu? Não né? Eu simplismente joguei os elementos pra você. Não obedeci, Idioma, espaçamento, ordem das letras, tornando isso em um emaranhado de letras sem sentido. Mas existe também quando você pode quebrar as regras escrevendo um T3Xt0 C0M Num3r0s e m35m0 a551iM V0C3 3S7A 3NTEND3ND0. Ou quando usamos "negative space" como no exemplo a seguir: Lmk Flx, talvez você não tenha muita dificuldade para entender que aquilo é na real meu nome Lamek Felix. Usei a ausência das vogais e mesmo assim o nome se torna palpável.

Então, fazer essa comparação com a escrita é interessante porque O Design passa a ser algo menos subjetivo e você consegue pensar em um conjunto de regras ( Sintaxe ) onde voce usando elas fatalmente vai poder passar uma mensagem. Mas apesar de o conceito parecer simples na pratica é algo complexo, porque nós brincamos com a percepção humana, e o ser humano é um conjunto de variáveis infindáveis. Talvez por isso Design é uma coisa considerada por muitos como algo intangível.

 

Cada principio desse pode ser aplicado, ignorado, subvertido. Mas nunca esqueça: as regras podem ser quebradas mas não esquecidas ( não me lembro o autor da frase hehehe )

 

A Ferramenta

Depois de conhecer os principios ache uma ferramenta que lhe agrade. Se for simples Melhor ainda. E quando me refiro a simples eu quero dizer que seja uma ferramenta que lhe agrade, que voce tenha uma certa, vamos dizer assim, "afinidade" Porque existe programas a torto e a direito, lembre-se voce so quer chegar do Ponto A ao Ponto B. Conhecer a ferramenta exige um esforço, as vezes a até umas renuncias, e dominar a ferramenta é sempre algo positivo para que você se sinta confortavél e agil para aplicar em sua peça aquilo que aprendeu nos principios.

Então sempre use a ferramenta que lhe mais agrada, caso no futuro por questões mercadologicas voce queria mudar, os principios em todos os programas sao praticamente os mesmos, voce vai precisar se abtuar com os processos, gags e bugs do novo programa heheeh.

Pratique!

Repetição e erro é a melhor forma ainda de chegar ao Ponto B, uns demoram mais, outros demoram menos a chegar a um nivel comercial com suas artes. E a pratica ainda é a melhor maneira de se aprender alguma coisa. Por isso pratique sempre.

Praticar acaba sendo o conselho MASTER, porque a pratica sempre leva a você conviver com os dois primeiros pilares.

Se a pratica é sempre voltada aos princípios o ganho artístico sempre acaba sendo maior, porque a ferramenta é em sumo encontrar soluções técnicas para resolver seu problema e caso isso seja muito difícil sempre a um tutorial, help ou um cabra foda que você possa pedir ajuda ou então contratar esse cara foda caso precise. Porque o conhecimento técnico tem um extremo valor no processo de criação. Então se puder não desvalorize ele, mas lembre-se que ele não está em primeiro plano.

 

Aprenda sobre os principios, Aprenda uma ferramenta simples. E Pratique. Pratique Muito chapa!

 

 

 

No mais é isso!

Xero!

Precificação no fim do mundo!

Se você clicou nesse Link é porque você também quer saber como diacho pode cobrar pelo seu trabalho. Nem muito, nem pouco. Ou entao achou o titulo curioso e clicou hehe

 

 

Quero aqui passar algumas dicas pra você que trabalha com Motion e afins e o mercado local é.. vamos dizer assim: "Fraco" Eu sinto lhe dizer. Eu não tenho a formula definitiva. Mas tenho algumas dicas que podem te ajudar.

Nesses meu 10 anos no audiovisual eu errei bastante sobre isso. As vezes cobrava muito e não fechava o Job ou cobrava pouco e me ferrava, porque no final eu sempre tinha que entregar o job.

Então esse é o conselho master: Erre.

"Oh Lamek tu tá lombrado?". Você deve estar se perguntanto, mas lê ai que você vai entender. :D

O Brasil tem mercados de todos os niveis, o cara que mora em Rondônia não vai conseguir cobrar o mesmo de quem mora em São Paulo, então errar e tatear o mercado foi a solução que achei para chegar a um denominador comum na hora de cobrar. E com isso percebi que a precificação pode ser sustentada em 3 pilares.

Seu Mercado

Seu Trabalho

Seu Cliente

O seu valor e um cálculo extraído dessas três variáveis. Tá Lamek mas como eu faço isso?

O Mercado

Você primeiro tem que descobrir em que mercado você se encontra. Você descobre isso pesquisando tanto na internet como no face a face também.

Um exemplo de como você pode fazer isso?. Vou focar esse exemplo pra você que mora em alguma cidade pequena, ou que o mercado ainda não é tão desenvolvido:

Procure conhecer pessoas dá área. Achei-as em qualquer rede social ( ou bar heheh ) e perguntem a elas qual o valor médio de um profissional dá nossa área. Não tenha vergonha de perguntar, se Fulano não responder, fatalmente Cicrano vai. Porque o não vc já tem. Corra atrás do sim. Se ele responder você já tem um bom start certo?

O Profissional

Sabendo o valor de mercado o desafio agora é saber quanto vale seu trabalho. Uma boa dica é. Assista os comerciais locais. Você seria capaz de fazer aquilo? Se sim, ponha a mão na massa e faça. Quando terminar veja se ficou igual, ou melhor. Peça opinião ( Se quiser mandar pra mim, é so preencher o formulario de contato que eu adoro falar mal do trabalho dos outros... cof cof dar feedback hehehe) Compare o que você fez com o que viu na tv, e lembra do Cicrano que te respondeu sobre a media de salario? Manda pra ele, quem esta no mercado sempre pode precisar de alguem para indicação ou para ajuda-lo em algum projeto. Se você mandou bem, você acaba de virar uma opção viavél.

Se seu mercado é pequeno, não desanime sempre tem espaço para um novato, porque quem está começando tem a vantagem de ser barato, use isso a seu favor. Essa pode ser uma boa porta de entrada. Depois que você entrar e crescer no mercado e você achar que o Mercado não consegue mais pagar o que você acha justo para o seu trabalho, talvez seja a hora virar um freelancer ou abrir seu negocio. Mas não critique o mercado, ele não tem a missão de atender você, é justamente ao contrario. Você está ali para atender uma necessidade principalmente, evolua o bastante para que o terceiro pilar entre na sua vida.

O Cliente

Pode parecer polemico, ou ate contraditório, mas não da pra cobrar o mesmo valor para todo cliente. Mas ai entra uma questão que pode parecer meio anti-etico até, porque se a gente pensar, o trabalho as vezes é o mesmo, ou até maior fazer um trabalho para cliente pequeno. O pequeno as vezes não conhece os processos e isso demanda mais esforço do profissional para vender uma ideia ou explicar como funciona. Ta Lamek então porque fazer essa distinção? Pelo simples fato que você tem que se virar nos 30 para as contas do mês fechar.

Deixa eu explicar: Galera que trabalha em mercado pequeno tem um problema que os preços não são algo "padronizado", então vai da habilidade do artista analisar até onde o orçamento do cliente alcança e você tem que concordar comigo que se o orçamento for valido para ambos isso é o que vale. As vezes o orçamento do cliente pequeno não da pra fazer modafoca comercial 3D, mas se você for bem vai descobrir que o cliente nem precisa disso, só precisa modernizar suas postagens no Instagram ou então onde um Supermercado precisa de uma mídia interna eu nunca conseguiria cobrar o mesmo que para uma Loja de carros que quer um comercial para tv. Esse ultimo exemplo é um trabalho que você provavelmente levaria o mesmo tempo para os dois, mas não conseguiria cobrar o mesmo.

Então saber como identificar a necessidade do cliente e precificar baseado em seu nivel e no volume do mercado pode ser um bom começo para você não tomar tantos prejuizos. Mas não se pressione, você ainda vai errar, só use esse erro ao seu favor, isso é chamado de experiência! hehehe

Espero que tenha ajudado, qualquer pergunta arrocha ai nos comentarios ou me acha nas social network que eu responde de graça mesmo! :D

Vamo deixar de preguiça? Dicas basicas de como começar um projeto autoral!

Se você não trabalha com 3D, Motion graphics ou algo parecido, aconselho que pare. Não sei se posso te ajudar. Mas se quiser continuar, sinta-se a vontade.

Vou assumir que você chegou aqui decidido, e que vai fazer esse projeto custe o que custar. Aqui vou tentar explicar um processo de como você pode organizar suas ideias e contruir algo. A partir disso aconselho você a desenvolver o seu. O que vou dizer aqui não é regra é a forma que faço normalmente  e isso pode servir de norte para você.

Então:

Referências

Comece se referenciando bastante. Escolha o tipo de projeto que você vai fazer e comece a procurar sobre isso. Abaixo algumas dicas.

  • Procure empresas que trabalhem com o seu tipo de projeto. Ex: Eu quero fazer uma vinheta para televisão. Procure no Google quais são as empresas que fazem esse tipo de serviço. E olhe todos os seus trabalhos. Depois comece a olhar seus concorrentes, faça isso por dias.
  • Aprenda a usar um site chamado Pinterest, ele é uma agregador de links, lá você consegue montar uma biblioteca de referencias selecionando e catalogando as que você mais gostou.
  • Depois de selecionada todas referencias, escolha qual caminho visual vai seguir fazendo um moodboard. Moodboard é nada mais que um compilado de referencias visuais que lhe ajuda a tem um feeling de qual direção seu projeto vai tomar.

Abaixo um exemplo.

Moodboard.jpg

 

  • O processo seguinte se chama Styleframes, que são basicamente frames finais de seu projeto, mesmo que seja um video seu projeto, faça os stills de partes cruciais do seu “roteiro” isso vai te dar uma boa visão do escopo do projeto. Abaixo alguns Stylesframes de um projeto que fiz.
01_The right Song.jpg
07_In ways that images alone.jpg
  • Depois dos Styleframes pronto o seu desafio agora é dar vida ao seu projeto, caso você ache muito complicado ou não saiba como animar isso, volte para as referencias. Sobre isso a melhor dica que posso dar é : Imite Bastante. Não é vergonha você como estudo imitar um profissional que você respeita e a imitação vai fazer você errar o suficiente para aprender. Até que você chega no video final.

 

Lembre-se:

  • Referências
  • Moodboard
  • Styleframes
  • Animação Final

Não vou prolongar muito, essa é a versão resumida, claro que a bem mais do que isso, mas não vou tirar de você o prazer da descoberta.

Caso queira receber mais infos e dicas sobre, se inscreva no meu Newsletter, juro que não estou querendo vender nada! :D

Meu projeto de um ano, Parte 3: "Era pra ser um ano, mas durou dois!"

Esse texto foi pra finalizar esse meu projeto de um ano ( que durou quase dois :D :D ). Nesse meio tempo meti o louco outra vez ( ver matéria um ) me mudei de Fortaleza para São Paulo, morei de favor, trabalhei em jornadas de 18 horas o dia, fiz muita merda ( importante ressaltar ) foi um aprendizado sem igual trabalhar em Sampa. Tive alguns problemas pessoais sérios, isso tudo me fez puxar um pouco o freio de mão, mas depois de tudo resolvido, botei a mão na massa de novo. Não estou falando isso para você ter pena de mim ou algo parecido, estou só querendo ressaltar que a vida é cheia de problemas e de curvas que a gente não espera, só acho que é importante seguir em frente. Então como se diz no Jiu Jitsu ( pelo menos foi onde aprendi isso ) #nosadhistories. Abaixo o que eu havia preparado antes disso tudo ter acontecido. Espero que te ajude! Arrocha! 

Os frutos desse amadurecimento profissional e pessoal que eu mencionei na matéria anterior me ajudaram com uma par de coisas. E como esse post fala de recompensa, antes de começar com os videos dos próximos meses eu quero voltar um pouco no tempo e falar de uma reunião que tive com um Studio de Los Angeles, que foi no mês de Março se não me engano, que não teve muito impacto no meu portfólio, mas mudou muito como passei ver as coisas na minha vida pessoal e consequentemente profissional. O Studio foi a State Design e nessa reunião o Marcel Ziul (Diretor Criativo) me fez uma pergunta que eu não consegui responder na hora, eu até dei uma resposta, mas ela foi tão insatisfatória que eu mesmo não fiquei convencido dela rsrsrs. A pergunta foi: Qual o seu Main Goal? Qual o seu principal objetivo? A resposta que dei é esquecível, mas aquela pergunta me martelou a mente por meses, ME-SES! Na real ainda martela um pouco até hoje, mas eu sinto que sei mais a resposta hoje do que naquele dia rsrs. Essa pergunta foi meu farol pro restante dos meses, sempre que tomava uma decisão importante essa pergunta surgia na minha mente. Mas você deve estar se perguntando: Porque você ta falando isso Lamek? O que isso tem a ver com recompensa?

Sabe o trabalho do Patativa? Que foi o primeiro da série? Lembra quem foi as referencias? Isso mesmo, State Design. Na reunião foi ele que chamou mais atenção do Marcel e provavelmente pode ter sido o motivo dele aceitar a se reunir comigo. Eu trabalho desde 2008 com audiovisual em Fortaleza e essa foi de longe a vez que caminhei mais longe. Ele até me rendeu alguns elogios, acho que de todos os videos o do Patativa foi o que fiz com mais paixão e pra mim escutar isso de uma referencia minha foi bem satisfatório. E por mais que nunca tenha trabalhado pra eles eu ganhei uma pergunta que é meu norte até hoje! Então a recompensa veio, talvez não da forma que esperava.

Voltando aos trabalhos o mês de julho foi bacana! A vertente da nossa área que mais gosto é a de Main Titles, e um produtor de Chicago entrou em contato comigo para fazer uma intro para um documentário, a grana era pouca, mas o pagamento veio na frase " Queremos o seu estilo, você tem liberdade total para criar aqui"

Sem mais delongas o video e um leve breakdown: 

Teve também um produtor Texano que entrou em contato para me fazer um comercial de uma loja de manutenção de celulares ( o produtor fez curso comigo no SOM), como as condições favoreciam, Time, Money e Liberdade aproveitei e fiz dele o video do mês, agora era mão na massa pra fazer um video que me desse satisfação, porque se não teria que fazer outro rsrs.

 

Não foi um projeto megalomaníaco, mas ele entra porque eu consegui exercer bem um conjunto de fatores que talvez não fiquem muito evidente no filme, esse foi meu primeiro trabalho voltado para publicidade onde eu fiz a parte visual também, contei com a ajuda do Kayro Rocha para ilustrar os personagens. E o melhor de tudo, não teve alteração. Isso mesmo: ZERO ALTERAÇÕES! Eim eim! SA-TIS-FA-ÇÃO!

Na categoria Pagos rsrs teve o projeto da NSCI que fiz pra galera da Mowe Studio. Galera da Mowe me deu bastante liberdade, eu propus referencias, e fiz desde o inicio ao fim do video, sempre guiado pelas guidelines do Studio, afinal o cliente era deles, mas aqui eu quero ressaltar um ponto pra você que está começando agora e está lendo isso:

SEJA PROATIVO, PROATIVIDADE DEMONSTRA INTERESSE, E O CLIENTE QUANDO PERCEBE ESSE INTERESSE VOCÊ ACABA GANHANDO PONTOS POR ISSO. ISSO VALE SE VOCÊ TRABALHAR EM UM FREELA ALOCADO TAMBEM! EXPERIENCIA PROPRIA FALANDO AQUI!

Eu não tenho certeza, mas apostaria duas rapaduras e um quilo de farinha como eles só me deram liberdade porque viram meu interesse, o vídeo tinha outros rumos visuais, que não era esteticamente muito atrativo. Quando foi proposto algo mais agradável e com uma historia por trás ( coisa que aprendi la no Patativa lembra?) acho que ganhei respaldo e confiança para fazer meu trabalho. Abaixo um Making of de leve, com os caminhos que tentei seguir nesse video, uns a gente acerta outros nem tanto, é a vida! rsrsr

 A ideia começou assim! hehehehe

A ideia começou assim! hehehehe


Teve também a sessão de Collabs, que sempre tive vontade de participar, eu adoro a ideia de varias pessoas tendo uma ideia diferente para o mesmo tema, e ver a salada de frutas que isso cria. Collabs tem um lugar no meu Coração!

Love Machine e Motion Corpse eu usei em um mês, porque esse mês eu tava bem folgado.

Aqui os Links para os post originais com os devidos créditos.

Gumdrop Collab Walk Cycle

Gumdrop Collab ID Visual

Motion Corpse 33

Anymotion Collab

Love Machine - Layer Lemonade

Teve o "flashback" Let´s Travel que foi uma vinheta de um programa que foi reprovado, eu tinha um carinho muito grande por essa ideia e pelo acabamento que tinha conseguido dar na epoca, como não tinha mais o projeto, acabei refazendo tudo de novo. Foi um exercicio interessante fazer essa engenharia reversa. Porque eu não lembrava mais de nada que tinha feito hehehe. A proposito imitar é uma ótima forma de aprender.

E por fim o ultimo:

Sabe aquele aquele video conceitual? Pois é, eu sempre brincava que achava esses videos "moh viagem", Nesse meu ultimo video tentei fazer algo conceitual, algo que eu tinha pra mim que eu não era bom, mas que aprendi, como tudo a gente é capaz de aprender. Essa "coisa" é a ideia ( e o 3D também ).

Acho que a ideia é um processo, e como todo processo é contruído por etapas ( eu acho rsrs ) essa é minha forma conceitual de mostrar essas etapas. Eu penso que a ideia ela começa no imaginário da pessoa e termina no imaginário de uma pessoa, as vezes é a mesma pessoa, as vezes não, a ideia é concebida, lapidada, transformada e depois transportada. E esse video é a forma que achei para representar isso, mostrando e mixando os processos tanto no nosso imaginário como os processos de produção que a ideia sofre.

Mas para me chegar até esse resultado, eu viajei muito em alguns conceitos, gostei de uns, de outros nem tantos. Pesquisei, testei, estudei e aqui o resultado de alguns estudos dos conceitos que eu acabei descartando, não pela qualidade técnica, ( que modéstia parte eu curti alguns deles), mas pela ideia mesmo.


Aqui o animatic, que acabei fazendo algumas mudanças depois que eu “aprovei”.

 Durante a produção do video eu sempre postava alguns frames que eu fazia, isso acabou chamando a atenção de um estudio inglês e ele se ofereceu para fazer a trilha e o SFX do meu filme. Foi muito maneiro e eu curti muito o trabalho.

Então fica aqui meu agradecimento a Tom Joyce da Soundcanvas pelo Sound Design, Jim Cornick pela composição e o Invada Studios pela gravação da trilha.

Criei uns posters também, para criar uma certa vibe no lançamento do video, mas como eu sou um cara ansioso acabei soltando tudo antes rsrsrs. Abaixo os posters.

Poster 01.jpg
Poster 03.jpg

E aqui finalmente o video, confesso que eu melhoraria algumas cenas, mas penso que a evolução é constante e melhor finalizado do que guardado.

Durante tudo isso acabei aprendendo muito nos ultimos dois anos, coisas que eu nem imaginava que um dia poderia aprender e outras que eu achava que ja tinha aprendido. E depois de tanta experiência eu ainda sinto como se ainda não tivesse aprendido nada!  

200w_d.gif

E ISSO É ÓTIMO!

 Eu tenho uma paixão muito grande pelo o que eu faço, alem de prover meu sustento, me da uma satisfação que não conseguia explicar, eu sempre penso que isso é meio estranho, as vezes me pergunto "- Meu job é meu superficial, eu em sumo crio coisas no computador". Hoje sei que sempre olhei a ponta errada, porque na real o produto final sou EU e não o vídeo em si, acho que o fato de trabalhar com o que gosto deve ter um resultado positivo na minha vida pessoal e consequentemente as pessoas ao meu redor. Apesar de as vezes não saber ponderar, minha esposa que o diga rsrsrs.

Acho que pra finalizar um sábio conselho pode vir a calhar:

PARA DE CHORO, PARA DE FRESCURA, PARA DE RECLAMAR, OU ENTÃO CONTINUA CHORANDO, NÃO TEM PROBLEMA, MAS CHORA ENQUANTO PRODUZ, PORQUE PIOR QUE UM CHORÃO, É UM ACOMODADO!

 

E é isso! Espero de coração que isso tenha lhe ajudado de alguma forma. 

 

Um xero no coração de vocês. Um forte abraço. Vamos aos proximos projetos!

 

Arrocha!

Meu projeto de um ano, Parte 02: "A rapadura é doce, mas num é mole não viu?"

O titulo do post faz referência a um ditado nordestino muito usado, que tem mais ou menos esse sentido: A vitória é gostosa, mas ela vem depois de muito trabalho. Eu confesso que após ter feito os primeiros vídeos, fiquei meio esnobe. Depois de completado eu achei que tinha dominado o "esquema", rolou um pouco de vaidade pra ser sincero. Então veio os meses de Fevereiro e Março e deram uma voadora na minha pleura, pra eu deixar de ser abestado, porque eu acho que a vaidade me deu uma "cegada".

paul-rand.jpg

Em Fevereiro mais ou menos, o curso da SOM abordou muita parte teórica, desde os movimentos artísticos e como eles influenciaram a sociedade hoje, até os artistas que participaram desses movimentos. Depois tivemos uma abordagem geral sobre algumas "lendas" do Design Gráfico, entre eles Paul Rand. Em resumo esse cara apresentou alguns conceitos sobre Design que até hoje são usados quase como "manual".

Screenshot_1.png

Ai pensei "ah chapa, agora que eu manjo a porra toda, vou animar isso aqui"

Vai ser Cool!  Pensei eu. E estava sendo, postei e tal, achei irado e o exercício de Fevereiro tinha sido feito. Estava folgado e ia me dedicar um pouco mais ao curso. Ah aqui está/tá o resultado: 

Só depois de muito tempo e de alguns feedbacks é que percebi a série de problemas que eu precisava resolver antes de achar que tinha dominado o "esquema", o mais legal é que, depois de mais algum tempo eu me pergunto se esse tal de "esquema" "manha" "pulo do gato" existe. 

Em Março decidi fazer uma coisa que eu queria a muito tempo, um "Everyday" e escolhi o 36 days of Types para isso. Esse lance de fazer algo todo dia acabou sendo complicado porque eu não conseguia dar uma atenção melhor a estética e sempre que acabava eu estava insatisfeito. Mesmo assim continuei, no meio do processo eu percebi que eu estava adquirindo uma habilidade boa de mexer no Software (aqui no caso o C4D e o AE). Terminando os 36 dias eu vi que por mais que eu não tivesse uma evolução onde eu queria (na parte visual) eu tinha melhorado em algo importante também, que é dominar a ferramenta.

 

 

Em Abril eu estava com o último exercício do School of Motion e decidi transformar ele no meu próximo vídeo. Esse mês particularmente foi bem legal, fui escolhido o melhor aluno da minha turma e esse vídeo tomou proporções mundiais, com o dono da escola colocando meu vídeo no Newsletter dele e outras coisas mais. Foi um dia de princesa, todo mundo tinha achado massa meu vídeo, me chamaram de Ousado, de doido, de atrevido, Ariel Costa Genérico, Imitador de Ariel Costa e por ai vai, sem duvida ele foi minha inspiração e eu meio que levava isso como elogio. Se me achavam imitação dele, é porque no mínimo meu job estava bom hehehe. Depois desse dia de princesa eu fiquei me perguntando por que esse vídeo tomou essas proporções e os outros não? Pensei um bom tempo sobre isso. Eu só sei que nesse job eu coloquei tudo que tinha aprendido tanto com meu projeto pessoal quanto no meu curso. Eu fiz esse como se eu tivesse sido bem pago por ele, eu refiz o layout várias vezes e refiz a animação tantas outras vezes, então provavelmente era porque:

 

giphy-downsized.gif

Eu precisava ser mais cuidadoso com os meu projetos.

 A final, eles são o meu ganha pão e ter cuidado com eles me fazia elevar o nível da qualidade. Pra mim esse foi o ponto de ruptura. O meu cuidado tinha sido reconhecido. Fiquei super feliz por ver gente me elogiando, gente que eu admirava muito o trabalho, achando massa o vídeo. Mas a real recompensa foi essa, um pouco de AMADURECIMENTO PROFISSIONAL. Eu ainda preciso ter mais cuidado com meu trabalho, acho que esse caminho aumenta meu critério. E acho que esse "cuidado" tem que ser crescente sempre. 

Aqui um pouco do Premium Beat.

Referencia

 

Moodboard

Moodboard.jpg

Styleframes

01_The right Song.jpg
04_It excites you.jpg
07_In ways that images alone.jpg
02_Is Powerful.jpg
06_It move you.jpg
15 - Sample.jpg

 

Breakdowns

Final

Ficar "famosão" me deu oportunidade de trabalhar para fora do Brasil e fazer um trabalho onde o cara disse que queria meu estilo impresso nele. Foi bem legal de ouvir, massageou bem o ego hehehehe, mas isso eu conto na próxima matéria blz? Juro que é a última hehehe.