Meu projeto de um ano, Parte 02: "A rapadura é doce, mas num é mole não viu?"

O titulo do post faz referência a um ditado nordestino muito usado, que tem mais ou menos esse sentido: A vitória é gostosa, mas ela vem depois de muito trabalho. Eu confesso que após ter feito os primeiros vídeos, fiquei meio esnobe. Depois de completado eu achei que tinha dominado o "esquema", rolou um pouco de vaidade pra ser sincero. Então veio os meses de Fevereiro e Março e deram uma voadora na minha pleura, pra eu deixar de ser abestado, porque eu acho que a vaidade me deu uma "cegada".

paul-rand.jpg

Em Fevereiro mais ou menos, o curso da SOM abordou muita parte teórica, desde os movimentos artísticos e como eles influenciaram a sociedade hoje, até os artistas que participaram desses movimentos. Depois tivemos uma abordagem geral sobre algumas "lendas" do Design Gráfico, entre eles Paul Rand. Em resumo esse cara apresentou alguns conceitos sobre Design que até hoje são usados quase como "manual".

Screenshot_1.png

Ai pensei "ah chapa, agora que eu manjo a porra toda, vou animar isso aqui"

Vai ser Cool!  Pensei eu. E estava sendo, postei e tal, achei irado e o exercício de Fevereiro tinha sido feito. Estava folgado e ia me dedicar um pouco mais ao curso. Ah aqui está/tá o resultado: 

Só depois de muito tempo e de alguns feedbacks é que percebi a série de problemas que eu precisava resolver antes de achar que tinha dominado o "esquema", o mais legal é que, depois de mais algum tempo eu me pergunto se esse tal de "esquema" "manha" "pulo do gato" existe. 

Em Março decidi fazer uma coisa que eu queria a muito tempo, um "Everyday" e escolhi o 36 days of Types para isso. Esse lance de fazer algo todo dia acabou sendo complicado porque eu não conseguia dar uma atenção melhor a estética e sempre que acabava eu estava insatisfeito. Mesmo assim continuei, no meio do processo eu percebi que eu estava adquirindo uma habilidade boa de mexer no Software (aqui no caso o C4D e o AE). Terminando os 36 dias eu vi que por mais que eu não tivesse uma evolução onde eu queria (na parte visual) eu tinha melhorado em algo importante também, que é dominar a ferramenta.

 

 

Em Abril eu estava com o último exercício do School of Motion e decidi transformar ele no meu próximo vídeo. Esse mês particularmente foi bem legal, fui escolhido o melhor aluno da minha turma e esse vídeo tomou proporções mundiais, com o dono da escola colocando meu vídeo no Newsletter dele e outras coisas mais. Foi um dia de princesa, todo mundo tinha achado massa meu vídeo, me chamaram de Ousado, de doido, de atrevido, Ariel Costa Genérico, Imitador de Ariel Costa e por ai vai, sem duvida ele foi minha inspiração e eu meio que levava isso como elogio. Se me achavam imitação dele, é porque no mínimo meu job estava bom hehehe. Depois desse dia de princesa eu fiquei me perguntando por que esse vídeo tomou essas proporções e os outros não? Pensei um bom tempo sobre isso. Eu só sei que nesse job eu coloquei tudo que tinha aprendido tanto com meu projeto pessoal quanto no meu curso. Eu fiz esse como se eu tivesse sido bem pago por ele, eu refiz o layout várias vezes e refiz a animação tantas outras vezes, então provavelmente era porque:

 

giphy-downsized.gif

Eu precisava ser mais cuidadoso com os meu projetos.

 A final, eles são o meu ganha pão e ter cuidado com eles me fazia elevar o nível da qualidade. Pra mim esse foi o ponto de ruptura. O meu cuidado tinha sido reconhecido. Fiquei super feliz por ver gente me elogiando, gente que eu admirava muito o trabalho, achando massa o vídeo. Mas a real recompensa foi essa, um pouco de AMADURECIMENTO PROFISSIONAL. Eu ainda preciso ter mais cuidado com meu trabalho, acho que esse caminho aumenta meu critério. E acho que esse "cuidado" tem que ser crescente sempre. 

Aqui um pouco do Premium Beat.

Referencia

 

Moodboard

Moodboard.jpg

Styleframes

01_The right Song.jpg
04_It excites you.jpg
07_In ways that images alone.jpg
02_Is Powerful.jpg
06_It move you.jpg
15 - Sample.jpg

 

Breakdowns

Final

Ficar "famosão" me deu oportunidade de trabalhar para fora do Brasil e fazer um trabalho onde o cara disse que queria meu estilo impresso nele. Foi bem legal de ouvir, massageou bem o ego hehehehe, mas isso eu conto na próxima matéria blz? Juro que é a última hehehe.